quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Dá-me só mais um gomo





    Olho pra baixo, vejo que estás aí bem debaixo do meu nariz e que és a melhor laranja da fruteira neste momento. Penso baixinho "será que posso roubar aquela ali?". Roubo. Olho para ela, vejo-lhe os jeitos e as manias. A côr, as rugas, as manchas. Parece-me bem. São marcas do tempo - também as tenho. Depois deste namoro todo à pobre da laranja, guardo-a no bolso. Namoro-a mais um bocado. Talvez seja demais. Tiro-a do bolso, furo-a com as unhas - não é que tenha unhas grandes, mas a força de vontade de comer a laranja, ajuda. Começo a descasca-la devagar. Tenho medo, quero aproveita-la inteira, contemplá-la só mais um pouco. Ela não se importa que eu a descasque, que a dispa. Só às vezes. Devagar. Descasco mais um bocado. Não me importo de não a comer hoje. Devagar. Um gomo de cada vez - como fiz com as cascas. Um gomo à beira mar, outro ao jantar, outro na ida para a faculdade. Um hoje, outro amanhã...quem sabe. 

Não gosto das laranjas pela metade, gosto delas aos gomos.

Ana Marisa

3 comentários:

Mellia disse...

Ui ;)

Sofia Alves Cardoso disse...

Fizeste ver-me esta cena toda de uma forma incrível e pormenorizada! Gosto bastante da tua escrita, é divertida e simples (no bom sentido, claro!) Vou passar cá mais vezes!
Beijinho

Daniela Castro disse...

É mesmo como a Sofia diz, conseguimos criar esse trajecto na nossa cabeça :D